Quarta-feira da 2ª semana da Páscoa

Evangelho (Jo 3, 16-21)

De fato, Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.

Pois Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele. Quem crê nele não será condenado, mas quem não crê já está condenado, porque não acreditou no nome do Filho único de Deus. Ora, o julgamento consiste nisto: a luz veio ao mundo, mas as pessoas amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más. Pois todo o que pratica o mal odeia a luz e não se aproxima da luz, para que suas ações não sejam denunciadas. Mas quem pratica a verdade se aproxima da luz, para que suas ações sejam manifestadas, já que são praticadas em Deus.

Reflexão

Queridos irmãos e irmãs,

A liturgia da quarta-feira da 2ª semana da Páscoa nos traz dois temas pertinentes e importantes, sobretudo, neste tempo santo da páscoa do Senhor. O primeiro diz respeito ao amor. A motivação que faz com que Deus envie seu filho ao mundo é o amor que Ele tem pelos homens, de ontem e os de hoje. Deus é um Deus que ama o homem. Que quer relacionar-se com ele. Ser o único Senhor e salvador. A humanidade, antes, perdida em si mesma, encontra em Deus, no seu ato de rebaixar-se, o fim último pelo qual foi criado: para amar. O homem foi criado no amor e para o amor.

O segundo é da luz. A luz veio ao mundo, mas os homens preferiram as trevas do pecado e da morte. A luz de Jesus, clareia e torna mais clara nossas ações. Por isso que não poucas vezes, preferimos andar em meio as trevas. É mais difícil de ser reconhecido, e portanto, julgado e condenado. Neste sentido, aqueles que agem segundo o pecado não se aproximam da luz, antes, fogem dela. Já os que andam segundo a vontade de Deus, vai, contudo, ao encontro da luz. Deixa ser conduzido sempre mais por esta luz que é Jesus, a luz do mundo.

Que rezando este Evangelho possamos todos nós nos abrirmos a graça do amor a Deus e aos irmãos, deixando ser invadidos e guiados pela luz de Deus. Uma luz capaz de dissipar de nós mesmos as muitas oportunidades de pecado e de morte.

Leandro Francisco da Silva, SDB

Pós-noviço salesiano

E-mail- leandrofsdb@yahoo.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *