Quinta-feira da 22ª semana do Tempo Comum

Evangelho (Lc 5, 1-11)

Naquele tempo:
Jesus estava na margem do lago de Genesaré,
e a multidão apertava-se ao seu redor
para ouvir a palavra de Deus.

Jesus viu duas barcas paradas na margem do lago.
Os pescadores haviam desembarcado e lavavam as redes.
Subindo numa das barcas, que era de Simão,
pediu que se afastasse um pouco da margem.
Depois sentou-se e, da barca, ensinava as multidões.
Quando acabou de falar, disse a Simão:
‘Avança para águas mais profundas,
e lançai vossas redes para a pesca’.
Simão respondeu:
‘Mestre, nós trabalhamos a noite inteira
e nada pescamos.
Mas, em atenção à tua palavra, vou lançar as redes’.
Assim fizeram,
e apanharam tamanha quantidade de peixes
que as redes se rompiam.
Então fizeram sinal aos companheiros da outra barca,
para que viessem ajudá-los.
Eles vieram, e encheram as duas barcas,
a ponto de quase afundarem.
Ao ver aquilo, Simão Pedro atirou-se aos pés de Jesus,
dizendo: ‘Senhor, afasta-te de mim,
porque sou um pecador!’
É que o espanto se apoderara de Simão
e de todos os seus companheiros,
por causa da pesca que acabavam de fazer.
10 Tiago e João, filhos de Zebedeu,
que eram sócios de Simão, também ficaram espantados.
Jesus, porém, disse a Simão:
‘Não tenhas medo!
De hoje em diante tu serás pescador de homens.’
11 Então levaram as barcas para a margem,
deixaram tudo e seguiram a Jesus.

 

Reflexão:

Queridos irmãos,

A liturgia da Palavra desta quinta-feira, o evangelho nos apresenta a vocação dos primeiros discípulos. Pescadores, homens simples do povo, foram por Jesus chamados para fazer parte da missão de anunciar o reino de Deus. O convite de Jesus acontece, contudo, após a escuta atenta e sincera dos pescadores “por causa de tua Palavra, lançaremos as redes”. O último lançar das redes tinha tudo para dar errado. Pescaram a noite toda e nada conseguiram pescar. Mas o acreditar dos pescadores, a atenção a palavra de Jesus, fez daquela noite, a noite mais memorável, muitos foram os peixes e por fim, o chamado de ser seguidor, discípulo de Jesus.

Num paradoxo interessante, após pescar tantos peixes, os discípulos deixam tudo e seguem a Jesus. Depois do encontro com o Mestre, todo o resto é relativizado. Como os discípulos precisamos aprender a nos “espantar” com a novidade do Evangelho e a ela seguir. É preciso vencer nossos medos, medos que nos paralisam e tornam difícil nossa decisão de seguir o Mestre. Que Deus nos dê a graça da fé. A graça de nos deixarmos guiar por sua Palavra. Neste dia em que foi proclamada a independência do Brasil peçamos de Deus a graça de proclamarmos sempre e a todo dia o fim de tantas outras “dependências e escravidões” pelas quais passa nosso país. Que Nossa Senhora, mãe Aparecida nos ajude nesta travessia. Amém.

Leandro Francisco da Silva

Pós-noviço salesiano

leandrofsdb@yahoo.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *