Quinta-feira depois das cinzas

Evangelho (Lc 9,22-25)

Dizendo: «É necessário que o Filho do homem padeça muitas coisas, e seja rejeitado dos anciãos e dos escribas, e seja morto, e ressuscite ao terceiro dia. E dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me. Porque, qualquer que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas qualquer que, por amor de mim, perder a sua vida, a salvará. Porque, que aproveita ao homem granjear o mundo todo, perdendo-se ou prejudicando-se a si mesmo? ».

Reflexão

Queridos irmãos,

É tempo da quaresma, é tempo de conversão!

Como itinerário de fé e de conversão, desde do dia 20 de fevereiro estamos propondo estas reflexões diárias do Evangelho, cujas palavras são para nós sustento e garantida, quando bem vivida, do prêmio eterno. É preciso nos preparar para bem celebrar os mistérios da paixão, morte e ressurreição de Jesus. Que estas reflexões diárias nos ajudem neste bom propósito.

No evangelho, segundo Lucas, desta quinta-feira depois das cinzas, Jesus propõe para nós, seus discípulos e discípulas, uma exigência fundamental no seguimento a Ele: a renúncia de si mesmo. A grande tarefa do discípulo é, pois, neste sentido, assemelhar-se ao Cristo, seu mestre. Jesus como verdadeiro mestre que nos ensina, cujas lições partem da vida, da existência humana e tudo aquilo que ela compreende, nos pede uma radical opção por Ele e pelo Evangelho. Ser discípulo, é então, gastar-se a si mesmo, em favor dos mais necessitados.

Que aproveita o homem ganhar o mundo inteiro se perder a si mesmo? ” O questionamento de Jesus nos coloca numa perspectiva diferente da lógica humana do ter. Enquanto a sociedade atual prega o ter em detrimento dos que nada tem, Jesus inverte esta lógica afirmando, categoricamente, que o que salva o homem não é o possuir e antes, o desapegar-se de si mesmo. Numa sociedade tão envolvida na busca pelo ter, todos nós corremos um sério perigo de também nós nos envolvermos nesta demasiada humana busca, que nos torna cada vez mais uma sociedade desigual e indiferente às dores e necessidades dos nossos outros irmãos.

O verdadeiro discípulo é, pois, aquele que, a exemplo de Jesus, protesta com a vida, contra tudo aquilo que não é consolante com a proposta evangélica do amor ao outro. Que unidos ao Senhor, aprendamos com Ele a bem viver deste modo.

 

Leandro Francisco da Silva, SDB

Pós-noviço salesiano

E-mail- leandrofsdb@yahoo.com.br

Deixe sua mensagem para nós: