Quarta-feira da 18ª semana do Tempo Comum

Evangelho (Mt 15, 21-28)

Naquele tempo:
21 Jesus foi para a região de Tiro e Sidônia.
22 Eis que uma mulher cananéia, vindo daquela região,
pôs-se a gritar:
‘Senhor, filho de Davi, tem piedade de mim:
minha filha está cruelmente atormentada por um
demônio!’

23 Mas, Jesus não lhe respondeu palavra alguma.
Então seus discípulos aproximaram-se e lhe pediram:
‘Manda embora essa mulher,
pois ela vem gritando atrás de nós.’
24 Jesus respondeu: ‘Eu fui enviado somente
às ovelhas perdidas da casa de Israel.’
25 Mas, a mulher, aproximando-se,
prostrou-se diante de Jesus, e começou a implorar:
‘Senhor, socorre-me!’
26 Jesus lhe disse: ‘Não fica bem tirar o pão dos filhos
para jogá-lo aos cachorrinhos.’
27 A mulher insistiu: ‘É verdade, Senhor;
mas os cachorrinhos também comem
as migalhas que caem da mesa de seus donos!’
28 Diante disso, Jesus lhe disse:
‘Mulher, grande é a tua fé! Seja feito como tu queres!’
E desde aquele momento sua filha ficou curada.

 

Reflexão:

Queridos irmãos,

A liturgia da Palavra desta quarta-feira da 18ª semana comum nos traz à luz o tema da fé. Jesus intervém na vida daquela mulher porque reconhece nela a fé que muitos para os quais “ele veio” – os filhos de Israel não tinham. Jesus descobre na pequenez daquela mulher que se deixa chamar de cachorrinha, uma fé profunda e forte que a torna “capaz” de ter a graça pedida.

Uma fé profunda e forte enraizada na certeza de que não será por Deus rejeitada e excluída. Uma fé madura que a faz persistir no pedido. Uma fé convicta que não a deixa se desesperar, antes, contudo, permanecer forte e esperançosa de que será por Deus visitada por sua graça e misericórdia.

Aprendamos com ela a graça de se colocar diante de Deus com um coração repleto de certeza e de fé. Uma fé madura e sempre pronta a aumentar na medida em que se deixa configurar a partir de Cristo, médico dos corpos e das almas. Assim seja.

Leandro Francisco da Silva

Pós-noviço salesiano

leandrofsdb@yahoo.com.br

Deixe sua mensagem para nós: