Segunda-feira da 13ª semana do Tempo Comum – Festa de São Tomé, apóstolo.  

Evangelho (Jo 20, 24-29)

24 Tomé, chamado Dídimo, que era um dos doze,
não estava com eles quando Jesus veio.
25 Os outros discípulos contaram-lhe depois:
“Vimos o Senhor!”.
Mas Tomé disse-lhes:
“Se eu não vir a marca dos pregos em suas mãos,
se eu não puser o dedo nas marcas dos pregos
e não puser a mão no seu lado, não acreditarei”
26 Oito dias depois,
encontravam-se os discípulos novamente reunidos em casa,
e Tomé estava com eles.
Estando fechadas as portas, Jesus entrou,
pôs-se no meio deles e disse:
“A paz esteja convosco”.
27 Depois disse a Tomé:
“Põe o teu dedo aqui e olha as minhas mãos.
Estende a tua mão e coloca-a no meu lado.
E não sejas incrédulo, mas fiel”.
28 Tomé respondeu: “Meu Senhor e meu Deus!”
29 Jesus lhe disse: “Acreditaste, porque me viste?
Bem-aventurados os que creram sem terem visto!” 

 

Reflexão:

Queridos irmãos,

A liturgia da Palavra desta segunda-feira da 13ª semana comum, festa litúrgica de São Tomé, apóstolo, nos insere na perspectiva da fé. Uma verdadeira fé crer, ao menos tempo em que sabe os limites da razão. Por vezes caímos na tentação de querer ver e comprovar tudo e a todos cientificamente. Não é possível! Há realidades que transcendem o nosso entendimento humano. Não devemos ter a pretensão de querer provar tudo, ter tudo nas mãos. A certeza da fé não é dada por meio do experimento, somente, mas sobretudo pela revelação de Deus, em Cristo Jesus. É Ele quem se revela, quem se deixa ser tocado pela nossa falta de fé.

Queridos irmãos, peçamos a Deus a graça da fé. Uma fé robusta capaz de compreender a partir de dentro. Uma fé madura o suficiente que saiba entender e compreender sua fé, sabendo, contudo, dos limites da razão. Que Deus nos ajude neste difícil mais importante trabalho, sobretudo, nestes tempos, onde os homens desejam ainda mais se “parecer” com Deus, ser deus, entendendo-O e dominando-O.

A exemplo de São Tomé, mesmo frágeis e pequenos da fé, com ele proclamemos: “Meu Senhor e meu Deus! ” Crer é reconhecer o primado de Deus. É colocá-lo como absoluto das nossas vidas, assim como fez São Tomé, mártir da fé, que deu sua vida afim de salvar a vida de muitos na Índia, lugar onde ele se dedicou totalmente à pregação do evangelho. Que ele nos ajude neste peregrinar na fé que é o caminho rumo à pátria celeste. Assim seja. Amém.

Leandro Francisco da Silva, SDB

Pós-noviço salesiano

leandrofsdb@yahoo.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *