Sexta-feira da 13ª semana do Tempo Comum

Evangelho (Mt 9,9-13)

 Naquele tempo:
Partindo dali, Jesus viu um homem chamado Mateus,
sentado na coletoria de impostos,
e disse-lhe: ‘Segue-me!’
Ele se levantou e seguiu a Jesus.

10 Enquanto Jesus estava à mesa, em casa de Mateus,
vieram muitos cobradores de impostos e pecadores
e sentaram-se à mesa com Jesus e seus discípulos.
11 Alguns fariseus viram isso e perguntaram aos
discípulos: ‘Por que vosso mestre come
com os cobradores de impostos e pecadores?’
12 Jesus ouviu a pergunta e respondeu:
‘Aqueles que têm saúde não precisam de médico,
mas sim os doentes.
13 Aprendei, pois, o que significa:
`Quero misericórdia e não sacrifício’.
De fato, eu não vim para chamar os justos,
mas os pecadores’.

 

Reflexão:

Queridos irmãos, louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo.

A liturgia da Palavra desta sexta-feira da 13ª semana do tempo comum, festa de São Mateus, apóstolo de Jesus, fala-nos do chamado, da vocação de Mateus. “Segue-me”, disse Jesus a Mateus, enquanto este trabalhava no seu oficio cotidiano – a coletoria de impostos.

O chamado de Mateus na coletoria de impostos traz duas compreensões bastante importantes para o nosso entendimento do que é vocação e da própria imagem de Deus. A primeira diz respeito ao chamado. Diferente da nossa humana compreensão de vocação, por vezes confundida como uma espécie de meritocracia, isto é, vocacionado é, todo aquele que merece, os “melhores e mais santos”. Essa não é a lógica de Deus! Esse não é o critério de Deus. Não sou religioso por ser melhor que os meus outros irmãos que começaram comigo e que por diversos motivos não seguem nesta mesma esteira. Talvez o fato de Deus ter me chamado se dê pelo fato deste ser, para mim, o melhor e mais eficaz caminho de conversão e de adesão à pessoa de Jesus. Quanto a isso verifica o próprio Jesus “Vim chamar os pecadores e não os justos”. Para Jesus, utilizando a parábola do caminho, o que importa não é o caminho feito mais o desejo de caminhar.

O segundo diz, fundamentalmente, sobre o lugar onde se deu o chamado. O fato de Jesus ir até Mateus e deste permanecer sentado na coletoria de impostos, mostra que é Jesus o sujeito do chamado. É Ele que chama e quem dá condições para a vivência desta vocação. Respondemos a este chamado por que antes fomos antecipados por Deus. É Ele quem se antecipa a nós. Aprendemos com Mateus a graça da correspondência a este chamado. Com ele aprendamos o desprendimento material, tão necessário para viver a vocação. Que Maria, primeira discípula de Jesus, nos ajude sempre na decisão de seguimento à Jesus Cristo.

Leandro Francisco da Silva, SDB

Pós-noviço salesiano

leandrofsdb@yahoo.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *