Diariamente belas histórias de diversos membros da Família Salesiana que destacaram-se pela vida de exemplo de santidade, fé, obediência e perseverança nos ensinamentos e vida de Nosso Senhor Jesus Cristo. Hoje conheceremos: Bem-Aventurado José Kowalski.

Bem-Aventurado José Kowalski

Beatificado no dia 13-06-1999

José Kowalski nasceu em Rzeszów, Polônia, no dia 13 de março de 1911, de Wojciech e Sofia Barowiec, sétimo de nove filhos. Seus pais, católicos praticantes, eram agricultores, proprietários de um modesto sítio.

Depois da escola primária, inscreveram-no no colégio salesiano de Oswiecim (Auschwitz). José distinguiu-se logo pelo empenho no estudo e no serviço, e pela alegria sincera. Inscreveu-se na Companhia da Imaculada e na Associação Missionária, tornando-se depois seu presidente. Enamorou-se literalmente do carisma salesiano e do seu Fundador, do qual procurar seguir o exemplo em tudo: empenho na animação alegre das festas religiosas e civis, presença apostólica junto aos colegas e, em particular, o primado da vida espiritual. Desde jovem estudante deu início à redação de um diário, que nos transmite a devoção a Maria Auxiliadora e à Eucaristia: “Ó minha Mãe – escreveu – eu devo ser santo porque é esse o meu destino. Ó Jesus, ofereço-te o meu pobre coração […] Faz com que eu jamais me afaste de Ti e que permaneça fiel até à morte: antes morrer do que te ofender, nem mesmo com um pequeno pecado. Devo ser um salesiano santo, como o foi o meu pai Dom Bosco”.

Fez a profissão temporária em 1928 em Czerwinsk e recebeu a ordenação sacerdotal em Cracóvia no dia 29 de maio de 1938. Foi nomeado secretário inspetorial. Cuidada na paróquia de um coro juvenil e se ocupava dos jovens mais difíceis. A Polônia foi ocupada, mas os salesianos continuaram o trabalho educativo. Essa foi a razão principal da dramática prisão em 23 de maio de 1941: a Gestapo capturou o P. Kowalski com outros onze salesianos, que trabalhavam em Cracóvia.

Foi internado primeiramente na prisão de Montelupich na mesma cidade; de ali, no dia 26 de junho, foi transferido ao campo de concentração de Auschwitz, recebendo o número 17.350. No lager dedicou-se secretamente ao apostolado: confessava, celebrava missas, recitava o rosário, fazia conferências escondidas, também sobre Dom Bosco, reforçando nos companheiros de prisão a vontade de lutar pela sobrevivência. Sofreu violências, vexações e humilhações. Descoberto com o rosário recusou-se a pisar sobre ele, acelerando assim o martírio, que se deu em Auschwitz no dia 4 de julho de 1942. O seu corpo foi lançado no depósito de excrementos, e depois queimado no crematório do campo. Seus conterrâneos começaram a venerar a sua memória, crendo que o seu sacrifício tinha fecundado as vocações polonesas.

Também o Papa João Paulo II era do mesmo parecer, e interessou-se pessoalmente na causa de diversos mártires poloneses. Enfim, os beatificou em Varsóvia no dia 13 de junho de 1999.

sdb.org

Fonte: http://www.salesianos.com.br/bem-aventuradojosekowalski/

Deixe sua mensagem para nós: