Todos estão convidados a participarem das celebrações do próximo domingo dia 30 de julho de 2017, 17º Domingo do Tempo Comum, na quadra do Oratório São Luiz pela manhã, às 8h30 e no período da tarde na Catedral de Nossa Senhora da Piedade, em comemoração pelo Jubileu de 80 anos da Diocese de Lorena, iniciando com a concentração às 15h na quadra do Colégio São Joaquim.

Para a Santa Missa de domingo de manhã, às 8h30,  na quadra do Oratório São Luiz, como de costume, a limpeza e preparação da quadra será feita no sábado à partir das 15h, sendo o 5º sábado do mês, ficará a cargo dos coordenadores de pastorais.

Para a comemoração do Jubileu de 80 anos da Diocese segue abaixo a programação:

30/07 – Festa Jubilar

15h Concentração na quadra do Colégio São Joaquim

16h Procissão e Missa na Catedral de Nossa Senhora da Piedade

17h Apresentações culturais e grande show com Renato Teixeira

31/07 – Catedral

19h Sessão Solene da Câmara Municipal comemorando os 80 Anos de Criação da Diocese e Missa na Catedral de Nossa Senhora da Piedade

Não haverá nos dia 30 e 31, à noite, nenhuma celebração nas Igrejas das Paróquias da Diocese, para que toda a comunidade de Lorena possa participar da celebração comemorativa de aniversário da Diocese. 

Quem quiser conhecer um pouco da história de nossa Diocese, segue abaixo um breve resumo:

Diocese de Lorena: 80 anos de história e evangelização

O dia 31 de julho de 1937 foi repleto de alegria para todos os habitantes da cidade de Lorena, e também para os que, junto com o Conde José Vicente de Azevedo, sonhavam com a instalação de uma Sede Episcopal nas Terras das Palmeiras Imperiais.

Por meio da bula “Ad Christianae plebis regimen” (Para o governo do povo cristão), o Santo Padre Pio XI instituiu, na devida forma canônica, a Diocese de Lorena, desmembrando-a da Diocese de Taubaté, para facilitar e tornar ainda mais eficaz o governo do povo cristão neste território, conforme reza o documento pontifício.

Já há muitos anos que, um ilustre senhor chamado José Vicente de Azevedo, havia encaminhado abaixo-assinado ao bispo de Taubaté, apresentando proposta ao Bispo Dom Epaminondas Nunes de Ávila e Silva de iniciar os trabalhos para a criação da Diocese de Lorena. Entretanto, depois de muitas tentativas sem sucesso, o senhor José Vicente desistiu de seu “sonho”, de fazer da cidade de Lorena Sede Episcopal. Por ser um grande benfeitor, no ano de 1935 o senhor José Vicente de Azevedo, foi condecorado com o Título de Conde Romano pelo Papa Pio XI, o mesmo que dois anos depois tornou realidade o seu grande sonho, graças ao apoio e incentivo do novo bispo da Diocese de Taubaté, Dom André Arcoverde de Albuquerque, que, atento às propostas do Conde José Vicente, se empenhou com ele nessa luta.

O primeiro bispo nomeado para o governo da Diocese, foi o Exmo. e Revmo. Dom Francisco Borja do Amaral, que tomou posse na Sé Catedral de Lorena no dia 23 de março de 1941, sete dias depois de sua sagração episcopal, realizada em Campinas. Dom Francisco trabalhou na organização e governo da Diocese até o ano de 1944, quando foi nomeado bispo diocesano de Taubaté.

A criação da nova Diocese elevou a Matriz de Nossa Senhora da Piedade em Lorena à dignidade de Igreja Catedral, tornando-a Sede do Bispado e também desmembrou as Paróquias e Comunidades das cidades de Areias, Bananal, Cachoeira Paulista, Campos Novos de Cunha, Cruzeiro, Cunha, Embaú, Pinheiros (atualmente Lavrinhas), Piquete, Queluz, São José do Barreiro e Silveiras, da Diocese de Taubaté, constituindo assim o território da Igreja Particular de Lorena.

Neste Ano Mariano para a Igreja do Brasil, a Diocese de Lorena, amparada pela proteção do manto da Virgem Senhora da Piedade, celebra, com alegria e gratidão, o seu Jubileu de Carvalho – 80 anos de sua instituição na forma canônica, pelo Papa Pio XI – e eleva a Deus o seu grito de louvor e prece por todas as graças que ao longo desses anos foram concedidas ao seu povo, governado por tão solícitos pastores, desde Dom Francisco Borja do Amaral até hoje Dom João Inácio Müller.

Nossos bispos, Dom Francisco Borja do Amaral (1940-1944), Dom Luiz Gonzaga Peluso (1946-1959), Dom José Melhado Campos (1960-1965), Dom Cândido Padim, OSB (1966-1970), Dom Antônio Affonso de Miranda, SDN (1971-1977), Dom João Hipólito de Morais (1977-2001), Dom Eduardo Benes de Sales Rodrigues (2001-2005), Dom Benedito Beni dos Santos (2006-2013) e Dom João Inácio Müller, OFM (2013), trabalhadores incansáveis, empenhando-se, com garra e determinação, na construção, organização e desenvolvimento do trabalho evangelizador em nossa Igreja Particular. Esta conta, hoje, com trinta paróquias, três santuários e uma basílica menor; tem clero jovem e dinâmico e trinta seminaristas, fruto do empenho e dedicação dos párocos, que animam as nossas comunidades de fé, e expressão de fé viva de nossas famílias.

Vale destacar também o trabalho dos religiosos presentes na Diocese: Salesianos e Teresianas, Joseleitos e Irmãs da Congregação do Divino Mestre, Beneditinas de Tutzing, Filhas da Pobreza do Santíssimo Sacramento. Outrossim, a Diocese é agraciada com o Carisma de Novas Comunidades, mormente a Comunidade Canção Nova e a Comunidade Bethânia. Diversas são as expressões e carismas que atuam em muitos setores da Diocese, como: a educação, saúde e reintegração social, onde padres, religiosos e consagrados se empenham, com muito carinho, na promoção da dignidade humana.

Marcando o início das comemorações deste Ano Jubilar, no dia 14 de fevereiro, em solene Concelebração Eucarística, Dom João enviou dois padres do Clero Diocesano, como Missionários, para a Igreja Particular de Jardim-MS. Os padres Daniel de Oliveira e Odair José foram nomeados e empossados, pelo senhor Bispo de Jardim, Dom João Gilberto, como Pároco e Vigário paroquial, respectivamente, da Paróquia Santa Rita de Cássia, na cidade de Nioaque-MS. Iniciamos, assim, em nossa Diocese de Lorena, renovado impulso missionário, buscando conscientizar nosso Clero, seminaristas e nosso povo em relação às urgentes necessidades de várias Dioceses, onde a carência de Clero é grande.

Rogamos ao Bom Deus, que, por intercessão de Nossa Senhora da Piedade e dos Santos Padroeiros de nossas Paróquias, a semente da evangelização continue a germinar e a dar frutos em nosso solo; que a partir de nós cresça e faça abundar, na vida da Igreja, muitos e bons frutos de santidade, e disponibilidade para o serviço do reino.

Fonte: http://diocesedelorena.com/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *