Segunda-feira da 16ª semana do Tempo Comum

Evangelho (Mt 12, 38-42)

Naquele tempo: 
38 Alguns mestres da Lei e fariseus disseram a Jesus: 
‘Mestre, queremos ver um sinal realizado por ti.’ 

39 Jesus respondeu-lhes: 
‘Uma geração má e adúltera busca um sinal, 
mas nenhum sinal lhe será dado, 
a não ser o sinal do profeta Jonas. 
40 Com efeito, assim como Jonas 
esteve três dias e três noites no ventre da baleia, 
assim também o Filho do Homem 
estará três dias e três noites no seio da terra. 
41 No dia do juízo, os habitantes de Nínive 
se levantarão contra essa geração e a condenarão, 
porque se converteram diante da pregação de Jonas. 
E aqui está quem é maior do que Jonas. 
42 No dia do juízo, 
a rainha do Sul se levantará contra essa geração, 
e a condenará, porque veio dos confins da terra 
para ouvir a sabedoria de Salomão. 
E aqui está quem é maior do que Salomão.’ 

 

Reflexão:

Queridos irmãos,

A liturgia da Palavra desta segunda-feira da 16ª semana comum nos coloca no insere, uma vez mais, no tema bíblico do sinal. Os mestres da lei buscavam um sinal do céu, mas nenhum sinal, a não ser o de Jonas, lhes será dado, revela o próprio Jesus.

O tema do sinal é muito próprio e usual no Evangelho segundo João, neste Evangelho, contudo, o tema do sinal é tido como um acontecimento importante, matéria essencial que deve ser discutida pela comunidade dos fiéis. Jesus, diante do pedido dos mestres da lei, que também muitas vezes são os nossos pedidos, recusa-se em dá algum tipo de sinal, exceto o de Jonas. Assim como a fé dos mestres da lei, que não poucas vezes, recusa-se em crer no essencial, isto é, na pessoa de Jesus, busca n’Ele outros aparentes sinais, comercializamos com Jesus. Ficamos nas margens, na “periferia da fé”. É preciso uma fé firme capaz de ir além, de mergulhar-se na profundeza deste rio de água viva que é o próprio Jesus.

O sinal de Jonas que Jesus fala e explicita no próprio Evangelho de hoje, diz respeito a sua ressurreição. Assim como Jonas esteve três dias e três noites no ventre da baleia, assim também o filho do Homem estará três dias e três noites no seio da terra, diz o próprio Jesus. A simbologia do ventre é uma importante chave de leitura para entender a vida nova que é gerada e que brota com a ressurreição de Jesus. Com a sua vitória, somos vencedores, “por sua morte, fomos curados e gestados para uma vida nova, inaugurada aos pés da cruz”. Assim seja. Amém.

Leandro Francisco da Silva, SDB

Pós noviço salesiano

E-mail para sugestões: leandrofsdb@yahoo.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *