Segunda-feira da 20ª semana do Tempo Comum

Evangelho (Mt 19,16-22)

16 Alguém aproximou-se de Jesus e disse: 
‘Mestre, o que devo fazer de bom para possuir a vida eterna?’ 

17 Jesus respondeu: 
‘Por que tu me perguntas sobre o que é bom? 
Um só é o Bom. 
Se tu queres entrar na vida, observa os mandamentos.’ 
18 O homem perguntou: ‘Quais mandamentos?’ 
Jesus respondeu: ‘Não matarás, não cometerás adultério, 
não roubarás, não levantarás falso testemunho, 
19 honra teu pai e tua mãe, 
e ama teu próximo como a ti mesmo.’ 
20 O jovem disse a Jesus: 
‘Tenho observado todas essas coisas. 
O que ainda me falta?’ 
21 Jesus respondeu: 
‘Se tu queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens, 
dá o dinheiro aos pobres e terás um tesouro no céu. 
Depois, vem e segue-me.’ 
22 Quando ouviu isso, o jovem foi embora cheio de tristeza, 
porque era muito rico. 

 

Reflexão:

Queridos irmãos,

A liturgia da Palavra desta segunda-feira da 20ª semana comum nos coloca na cena bíblica do jovem rico desejoso de ser bom. A vida cristã é um caminho de muitos passos. Diante da pergunta do jovem Jesus responde a ele com um primeiro passo, aquilo que deve fazer parte do itinerário de vida de fé de todo discípulo de Jesus: o cumprimento dos mandamentos. Ciente de que o jovem já cumpre todos os mandamentos, Jesus então propõe outro passo, mais exigente que o primeiro: o despojamento de seus bens e de toda a sua riqueza. Diante deste passo, o predito discípulo, fica triste e vai embora.

A negativa atitude do jovem rico de ir embora, de renunciar o caminho de radicalidade proposto por Jesus, mostra seu apego aos bens materiais. É preciso, para seguir o Cristo, ter um coração livre e desapegado. Um coração livre para amar e para se doar aos outros.

No mês vocacional que estamos vivendo é ainda mais importante entender que, para viver uma vida mais radical de seguimento a pessoa de Jesus, é necessário um despojamento, igualmente, radical em prol do serviço do reino. Que a exemplo de Jesus vivamos uma vida de despojamento e de serviço pelo reino. Talvez não tenhamos riquezas para nos apegar, mas certamente a algo que sempre exige de nós um maior empenho e desapego. Amém.

Leandro Francisco da Silva

Pós-noviço salesiano

leandrofsdb@yahoo.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *