Sexta-feira da 1ª semana da quaresma

Evangelho (Mt 5,20-26)

 

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:

Se a vossa justiça não for maior

que a justiça dos mestres da Lei e dos fariseus,

vós não entrareis no Reino dos Céus.

Vós ouvistes o que foi dito aos antigos:

‘Não matarás!

Quem matar será condenado pelo tribunal’.

Eu, porém, vos digo:

todo aquele que se encoleriza com seu irmão

será réu em juízo;

quem disser ao seu irmão: ‘patife!’

será condenado pelo tribunal;

quem chamar o irmão de ‘tolo’

será condenado ao fogo do inferno.

Portanto, quando tu estiveres levando

a tua oferta para o altar, e ali te lembrares

que teu irmão tem alguma coisa contra ti,

deixa a tua oferta ali diante do altar,

e vai primeiro reconciliar-te com o teu irmão.

Só então vai apresentar a tua oferta.

Procura reconciliar-te com teu adversário,

enquanto caminha contigo para o tribunal.

Senão o adversário te entregará ao juiz,

o juiz te entregará ao oficial de justiça,

e tu serás jogado na prisão.

Em verdade eu te digo: dali não sairás,

enquanto não pagares o último centavo.

Reflexão

Queridos irmãos e irmãs!

A liturgia desta sexta-feira, penitencial, da 1ª semana da quaresma, exige de nós algo a mais do que simplesmente a justiça dos mestres da lei. A nossa justiça deve por modelo a justiça de Deus. A justiça dos mestres da lei estava atrelada, especificamente, ao ato moral “não matarás”, Jesus nos apresenta uma nova categoria de pecado e de moralidade, pautada não mais no ato em si, mas no que precede o mesmo: o sentimento de raiva contra o irmão.  Jesus vai à raiz da questão.

Num coração pleno de Deus, não deve haver a raiva contra o seu irmão. Por isso, toda vez que formos diante do altar levar a nossa oferta, antes, porém, devemos nos reconciliar com o nosso irmão. É uma atitude humilde e sincera de quem entende a oferta como entrega de si mesmo, Deus, neste caso, não quer o mau, o rancor que trazemos no coração, lugar e fonte de toda ação moral do homem. Cabe-nos então perguntar: o que estamos ofertando a Deus?! Será nosso rancor tudo o que temos para ofertar a Deus?

O grande pedido de Jesus para nós, neste Evangelho, é que transformemos o nosso coração e as nossas atitudes, nas suas, que nos pareçamos mais com Ele. É um grande desafio: o de perdoar e de se parecer mais com Cristo, contudo, na certeza de que motivados e orientados por Ele, chegaremos um dia a viver a vida de reconciliados, com Deus, com os outros, com o mundo e consigo mesmo.

Leandro Francisco da Silva, SDB

Pós-noviço salesiano

E-mail- leandrofsdb@yahoo.com.br

 

Deixe sua mensagem para nós: