Neste mês dedicado às Vocações, nosso querido Leandro, Religioso Salesiano, responsável pelas reflexões do Evangelho do Dia em nosso Portal, deixa aqui seu Testemunho Vocacional.

Estimados irmãos, queridos jovens!

Sou Leandro Francisco da Silva, tenho 23 anos, natural do distrito de Matriz da Luz na cidade de São Lourenço da Mata-PE.

Desde criança pensei, dentre muitas outras profissões, em ser padre. Talvez o empenho da família, sobretudo dos meus pais, Sr. Antônio Francisco e Maria Das Dores, e a vivência na vida comunitária de fé, pode alimentar ainda mais esta vocação, tornando-me religioso salesiano, aspirante à vida presbiteral. O que sou devo muito aos meus pais, grandes incentivadores de minha vocação e à minha comunidade paroquial de N. Sra. da Luz. Sem dúvidas estes foram os meus grandes apoiadores. Hoje posso categoricamente afirmar, a vocação é uma semente que cresce no terreno fértil da família e continua a se alimentar na seiva da comunidade de fé, isto é, a igreja. Aliás, a vocação nasce de um grande apelo do povo de Deus ao próprio Deus. É o povo que suplica aos céus por pastores, bons pastores segundo o coração de Cristo. A vida de igreja é, neste sentido, um alicerce imprescindível para uma boa e madura vocação. Foi neste ambiente que pude desde catequisando experimentar a beleza da Eucaristia. Não poucas vezes, na inocência de uma criança, repetia as mesmas orações e gestos que o padre fazia na missa. Quase sempre rezava como constava no jornal da missa que um dia ganhara, a missa de Nossa Senhora. Devo a este fato, como a outros de igual importância, meu carinho a Nossa Senhora. Maria foi sempre um grande sustentáculo de minha vocação. Não poucas vezes a ela recorri e posso afirmar que nunca fui desamparado.

Leandro com Pe. Alexandre e os companheiros salesianos Denis, Giovanni e César

A vida tem suas surpresas. Aquilo que antes era um desejo ainda velado, foi descoberto pelo sacristão de minha paróquia – (a quem depois convidaria para ser meu padrinho de Crisma) – que logo se antecipou em falar para o pároco. Como padre diocesano numa paróquia diocesana, logo rapidamente, no mês seguinte, ele me encaminhou para participar dos encontros vocacionais em Recife-PE, eu tinha apenas 11 anos. Nunca meus pais iriam me deixar ir sozinho para Recife. Foi aí que apareceu um colega que logo rapidamente, para nossa surpresa, decidiu ir comigo para Recife fazer os encontros vocacionais. Pensávamos juntos no bonito dia em que nossa paróquia iria ter dois filhos de sua terra, presbíteros para a Igreja de Jesus Cristo. Essa foi, segundo meu parecer, mais uma ação de Deus, no curso de minha história. Três anos passados, decidimos fazer o pedido para entrar no propedeuta, etapa inicial da formação sacerdotal diocesana. Numa reunião tudo iria mudar. Foi então que no dia 09 de dezembro de 2009 o arcebispo de Olinda e Recife anuncia o encerramento da entrada de seminaristas para cursar o ensino médio no propedeuta. Eu ia começar o primeiro do ensino médio. Como os caminhos de Deus sempre nos surpreendem, meses antes fomos chamados por um salesiano de minha paróquia a participar dos encontros vocacionais dos salesianos. Naquele momento não achamos interesse ir, visto que estávamos participando dos encontros da diocese. Foi então que resolvemos ir participar. Ainda naquele ano conseguimos que ele falasse com o superior na tentativa de entrar ainda no ano seguinte. Não foi possível! Pediram que fizéssemos os encontros naquele ano em vistas de entrar no próximo (2011). Já no mês de junho, contudo, foi nos passado que não haveria, como na diocese, aspirantado de ensino médio. Mais uma vez não pudemos entrar. A alegria, a proximidade com os salesianos, nos fez continuar nos salesianos. Foi uma escolha que não me arrependo até hoje. Sou muito agradecido a Deus pelas dificuldades encontradas e munido de suas graças, enfrentadas. Depois de um processo de três anos de encontros vocacionais. Em 27 de janeiro de 2013 entrei no aspirantado em Carpina-PE etapa pela qual se vivencia ainda mais de perto aspectos de vida cristã e salesiana. Em 2014, fui morar em Jaboatão-PE, na etapa do pré-noviciado, etapa pela qual se evidencia o aspecto humano da formação. Em 31 de janeiro de 2015, fui morar em Curitiba-PR na etapa do noviciado, momento rico de espiritualidade e estudo das constituições. No dia 31 de janeiro de 2016, fiz juntamente com outros quatro irmãos a primeira profissão religiosa. Naquele mesmo ano, no dia 06 de fevereiro, ingressei na comunidade salesiana do pós-noviciado nesta cidade de Lorena-SP, etapa na qual se põe em pratica aquilo que foi livre e conscientemente assumido no final do noviciado. Neste etapa também se foca os estudos filosóficos.

Sou muito feliz como religioso salesiano. Depois de muitos anos e dificuldades posso dizer, na fé, de que nunca fui desamparado. Gosto de repetir que Deus escreve certo nas nossas linhas tortas. A          vida é como um caminho cheio de desvios, conversões, Deus é um guia sempre seguro e confiável, nós somos os motoristas, precisamos estar atentos, pois não poucas vezes precisamos entrar por caminhos desconhecidos e íngremes. É a certeza da fé que nos move a percorrer os caminhos indicados por Deus. Parece-me que Deus age mais em caminhos estranhos a nós. Foi assim com os pastores e magos em Belém, foi assim com os pescadores em Aparecida. Lancemos, pois, nossas redes em lugares novos, em novos pátios. Que Deus, por intercessão de sua predileta filha, nos alcance as graças necessárias para O seguirmos mais de perto.  

Leandro Francisco da Silva – religioso salesiano

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *